Cistite em gatos: nosso guia veterinário poderoso

Foto do autor
Atualizado em

O blog I Love Veterinary é suportado pelo leitor e podemos ganhar uma comissão de produtos comprados por meio de links nesta página, sem nenhum custo adicional para você. Saiba mais sobre nós e nosso processo de análise de produtos >

A cistite em gatos afeta o trato urinário e pode causar desconforto grave. A dificuldade para urinar pode ser dolorosa e até fatal se não for detectada a tempo. Aqui iremos orientá-lo para que você identifique os sintomas a tempo e leve seu gato peludo ao veterinário imediatamente.

O que é cistite em gatos?

Cistite em gatos significa inflamação da bexiga. É um termo inespecífico utilizado para abranger todas as patologias que apresentam sintomas clínicos semelhantes do trato urinário inferior. Embora estas patologias partilhem os mesmos sinais clínicos, as causas que as originam são muito variadas.

A cistite idiopática felina (CIF) é o tipo mais comum em gatos com menos de 10 anos, caracterizada por uma inflamação estéril da bexiga sem causa conhecida.

Gato fofo olhando para a câmera

Os diferentes tipos de cistite em gatos

  • A urolitíase é a causa mais frequente de cistite em gatos com mais de 10 anos. Consiste na presença de cristais e cálculos urinários na bexiga. A presença de cristais na uretra do gato macho leva à sua obstrução. Os cristais mais comuns são oxalato de cálcio e estruvita. O diagnóstico é feito por meio de urinálise e exames de imagem (radiografias – ultrassonografia).
  • Infecção bacteriana do trato urinário. Raro em gatos. São infecções ascendentes, que partem do cólon ou da pele da região perianal e chegam à bexiga pela uretra. Escherichia (E.) coli iÉ a principal bactéria envolvida nesta patologia. As gatas são mais propensas à infecção porque a saída uretral fica próxima ao ânus. O diagnóstico é feito por exame de urina (incluindo análise de sedimentos e cultura bacteriana).
  • Neoplasia da parede da bexiga. Tumores Primários do trato urinário são raros. Urinálise e exames de imagem (radiografias – ultrassonografia) são necessários para o diagnóstico.
  • Problemas neurológicos. Disfunções da bexiga (flácida ou espástica) causadas por danos neurológicos (por exemplo, trauma). O diagnóstico é por cistoscopia ou exames urodinâmicos.
  • Anormalidades anatômicas. Os gatos podem nascer com anatomia anormal do trato urinário inferior ou desenvolver anormalidades devido a trauma.
  • Cistite idiopática em gatos (FIC). Cistite estéril em gatos (porque ocorre na ausência de bactérias) ou cistite intersticial em gatos (a patologia reside no interstício da parede da bexiga). É necessário descartar todas as causas mencionadas nos pontos anteriores e, quando tais investigações não revelam uma causa subjacente específica, a CIF é o diagnóstico presuntivo.

Cistite em gatos (sintomas)

Todos os tipos de cistite apresentam sintomas semelhantes. Assim, citaremos a seguir os sinais clínicos da cistite em gatos sem distinguir a causa que lhe deu origem.

Os sintomas da cistite em gatos podem ser obstrutivos (quando não há saída de urina da uretra) e não obstrutivos (quando o lúmen da uretra diminui, mas o gato ainda consegue urinar).

Os sinais clínicos da cistite não obstrutiva são:

  • Disúria: Dificuldade em urinar. Gatos com cistite costumam ir para a caixa sanitária, passam muito tempo se esforçando para urinar e emitem sons dolorosos, mas expelem apenas gotículas de urina.
  • Polaquiúria: Aumento da frequência urinária. Incapazes de esvaziar a bexiga, os gatos afetados têm uma necessidade constante de urinar e fazem idas frequentes à caixa sanitária.
  • Hematúria: Sangue na urina. Sangue misturado com urina ou coágulos sanguíneos podem estar presentes.
  • Urina concentrada turva
  • Urinar em lugares inusitados, fora da caixa de areia
  • Uso excessivo do banheiro ou lambidas na região genital
  • Falta de energia
  • diminuição do apetite
  • Vômito ou diarréia
  • Mudanças Comportamentais

Nas condições obstrutivas, o paciente vai até a bandeja sanitária, mas não consegue urinar. É uma emergência veterinária porque a urina se acumula na bexiga e corre o risco de romper. Por sua vez, o corpo não consegue expelir as toxinas pela urina e elas intoxicam o gato, causando um quadro neurológico. (incoordenação, tontura, anorexia, depressão, convulsões).

O que causa cistite em gatos?

A cistite idiopática felina é o tipo mais comum de cistite em gatos. No entanto, compreender como a FIC se desenvolve é um desafio, ao contrário dos outros tipos de cistite.

O termo “idiopático” refere-se ao fato de sua origem ser desconhecida. O estresse é o gatilho mais importante para essa cistite, mas não a causa. Os estressores para um gato podem incluir:

  • Conflitos com outros gatos dentro ou fora de casa,
  • Mudanças na dieta,
  • Estresse do proprietário,
  • Mudança de casa,
  • Adição de novos animais ou pessoas à família

Outros fatores de risco para apresentação de FIC são:

  • Natureza sedentária e inatividade
  • Obesidade
  • Idade (até 10 anos com média de quatro a sete anos).
  • Sexo: Os homens são mais propensos a sofrer de FIC.

Quanto à causa, embora ainda não esteja clara, os gatos predispostos à CIF, ao contrário dos gatos normais, apresentam menor tolerância ao estresse. Isso significa que o que pode passar despercebido por um gato normal pode ser muito estressante para um gato com tendência à FIC.

A FIC afeta gatos que apresentam falha na resposta fisiológica ao estresse. Assim, quando um gato suscetível sofre uma situação estressante, os hormônios liberados na corrente sanguínea atingem a parede da bexiga, afetando sua permeabilidade. Então:

  1. Aparecem mecanismos inflamatórios.
  2. As substâncias da urina são absorvidas, afetando o sistema nervoso do gato e causando dor.

Em resumo, após uma situação estressante, um gato com tendência à CIF fica com a parede da bexiga (e uretra) muito inflamada e com muita dor.

Após explicar todos esses mecanismos, fica claro que a CIF é um processo asséptico, ou seja, não há presença de bactérias.

Gatos machos e fêmeas contraem cistite?

Tanto gatos machos quanto fêmeas podem sofrer de cistite. No entanto, a cistite em gatos machos é mais comum devido à uretra estreita.

A CIF em mulheres não é comum devido ao lúmen uretral mais amplo. Mas, ao contrário do homem, a sua proximidade com o ânus torna-o mais suscetível à cistite bacteriana.

Gato na grama

Tratamento para cistite felina

O tratamento da cistite em gatos depende da causa da doença.

  • Urolitíase: Nos processos não obstrutivos, os cristais e cálculos de estruvita têm a particularidade de se dissolverem através da administração de uma dieta especializada (refeições contendo baixas quantidades de proteínas, quantidades reduzidas de fósforo e magnésio, além de um acidificante de urina para conseguir a modificação do pH urinário). Os cálculos de oxalato de cálcio não se dissolvem com a dieta e necessitam de tratamento cirúrgico para sua remoção.

Nos homens, se os cristais obstruírem a uretra, o procedimento é uma emergência.

  • Infecção bacteriana do trato urinário: Após realizar a cultura e obter resultado positivo para bactérias, é importante selecionar o antimicrobiano adequado contra o agente isolado.
  • Neoplasia da parede da bexiga: Cada caso necessita de uma avaliação individual para decidir o melhor tratamento cirúrgico ou quimioterápico adequado à situação do animal.
  • Problemas neurológicos: Dependendo do trauma, a bexiga neurogênica pode ser flácida ou espástica. Ambas as situações causam incontinência urinária. O veterinário avalia cada caso e seu prognóstico. O tratamento paliativo pode incluir medicação e cateterismo uretral.
  • Anormalidades anatômicas: Tratamento cirúrgico
  • Gerenciando cistite idiopática em gatos:

É fundamental mencionar que os casos agudos de cistite de estresse em gatos se resolvem em cinco a oito dias sem que o gato necessite de medicação. No entanto, se nenhuma intervenção ocorrer, estes dias serão insuportáveis ​​para o felino. E é provável que o problema também se torne crónico e recorrente.

Como a causa da CIF é desconhecida, não existe tratamento específico para resolvê-la. O aspecto mais importante é aliviar o desconforto do gato. Para dor, use anti-inflamatórios não esteróides, como Meloxicam e buprenorfina, como analgésico. Adicione um relaxante muscular; obtivemos bons resultados com Prazosina em gatos.

O tratamento com injeções de glicosaminoglicanos polissulfatados (GAG) é uma excelente opção. É um medicamento frequentemente usado em problemas articulares crônicos para ajudar a prevenir a degradação da cartilagem articular. Mas acontece que essa substância também reveste a bexiga. Em gatos com CIF, a camada GAG da parede da bexiga deteriora-se e as injeções podem ajudar a substituí-la. Os glicosaminoglicanos ligam-se ao uroepitélio da bexiga danificado e os gatos se recuperam mais rapidamente de um episódio de CIF.

L-triptofano é um aminoácido essencial e precursor da serotonina. Este aminoácido regula muitos processos comportamentais, como comportamento agressivo e resposta ao estresse. A suplementação com L-triptofano é uma opção para gatos com baixa tolerância ao estresse.

Em casos graves, quando o gato, apesar de todos os esforços, não perde o medo e o estresse, o veterinário pode prescrever antidepressivos tricíclicos, como a Amitriptilina. Use este medicamento de forma prolongada; caso contrário, aumenta as chances de recorrência. Seus efeitos colaterais são ganho de peso, vocalizações excessivas e diminuição da higiene do gato.

O uso de feromônios em spray, aliado ao tratamento médico e ambiental, melhora os resultados.

As chances de recorrência

Episódios recorrentes de CIF são frequentemente descritos e afetam a maioria dos gatos predispostos a esta patologia.

O segredo para reduzir a possibilidade de cistite recorrente em gatos é fazer o nosso melhor para reduzir potenciais fontes de estresse. Em ambientes controlados (conforme mostrado abaixo), os gatos predispostos à CIF não manifestarão novos sinais clínicos ou alterações comportamentais.

A cistite em gatos é uma emergência?

A cistite obstrutiva em gatos machos é uma emergência porque o gato não consegue urinar. Aí reside a importância dos proprietários reconhecerem os sintomas e avisarem imediatamente o veterinário.

Primeiramente, o especialista fará exames de sangue e estudos complementares. Fluidoterapia intravenosa e analgésicos são necessários. Em seguida, o veterinário procederá à obstrução sob sedação. O uso de um cateter ureteral até a bexiga permite a evacuação de todo o conteúdo da bexiga. O animal deve permanecer internado para observar sua evolução, e o cateter ureteral permanece inserido por três dias para evitar recidivas.

Como prevenir a cistite em gatos

Porque:

  1. Da complexidade desta patologia,
  2. A cistite induzida por estresse idiopática é o tipo mais comum de cistite,
  3. Não possui tratamento médico específico e
  4. O estresse desempenha um papel significativo no seu desenvolvimento.

O tratamento preventivo é fundamental

O plano terapêutico para FIC pode variar de gato para gato. Deve-se considerar a identificação de possíveis fontes de estresse para cada paciente e a implementação de medidas individuais, dependendo do gato, para reduzir ou eliminar essas causas.

O estresse sofrido ou que afeta um animal predisposto à CIF é um processo contínuo e cumulativo. Assim, o objetivo é mudar o ambiente do animal. Conseguir um ambiente controlado e enriquecido para que o gato predisposto, a nível individual, permaneça abaixo do seu limiar de reação ao stress e não adoeça. A abordagem multimodal de modificação ambiental (MEMO) é prática para isso.

Para instalar a modificação do ambiente, devemos primeiro saber qual seria o estado ideal para um gato. Esses animais são solitários, territoriais e pouco hierárquicos. Eles não formam rebanhos como os cães, mas vivem em áreas com recursos confiáveis ​​e mantêm populações estáveis.

A modificação ambiental multimodal leva em consideração cinco aspectos ambientais críticos:

Dieta e Consumo de Água

Os gatos comem várias vezes ao dia em pequenas quantidades, por isso a comida deve estar sempre disponível, exceto para gatos com excesso de peso. Neste caso, os comedouros interativos são uma excelente opção porque evitam que o gato coma por tédio, fazem exercício físico e estimulam-no porque fica difícil conseguir comida.

Quando há muitos gatos na casa, os comedouros devem ser individuais e separados entre si por pelo menos um metro.

Quanto ao tipo de alimento, diversas marcas de alimentos medicamentosos dissolvem os urólitos em casos de cistite por urolitíase. Nos casos de CIF, aumentar a quantidade de ração úmida administrada. Aumentar a ingestão de água nos casos de cistite é essencial para manter a boa função renal e evitar a recorrência da doença.

Os gatos gostam de água fresca e corrente, um pouco distante da comida. Colocar mais de um bebedouro em locais diferentes ajuda a reduzir o estresse, principalmente quando há muitos gatos na mesma casa. Fontes projetadas para animais de estimação são outro excelente recurso.

Tanto a água quanto a comida devem ficar longe da bandeja sanitária, em salas separadas.

Cuidado ideal com a bandeja sanitária

A liteira é um ponto chave na modificação do ambiente. Muitos gatos com FIC têm problemas com a bandeja sanitária. Há vários fatores a serem considerados:

Deve ficar em local acessível e silencioso da casa, longe de ruídos altos e bem ventilado. Em casas de vários andares, deve haver pelo menos uma bandeja por andar.

Quanto ao tipo de areia, os gatos preferem areia aglomerada de textura fina porque não fica presa entre os dedos dos pés. A areia na bandeja deve ter cinco centímetros de profundidade ou mais.

As bandejas sanitárias devem ser grandes, pelo menos 1.5 vezes o tamanho do gato, medido da ponta do nariz até a base da cauda. O gato deve caber inteiramente dentro da bandeja, podendo se virar e arranhar a areia estendendo as patas. A maioria das bandejas comerciais não atende a esses requisitos. Uma excelente ideia é usar grandes caixas de armazenamento de plástico, como as que ficam embaixo das camas; eles geralmente têm uma grande área de superfície e as bordas não são muito altas para que o gato possa entrar neles. Já se os proprietários optarem por uma caixa de armazenamento com bordas altas, é aconselhável cortar um dos lados para deixá-la aberta e permitir fácil acesso ao gato. Substitua as bandejas de areia todos os anos, pois o plástico é um material poroso.

Para a maioria dos gatos, a localização, a limpeza e o substrato da caixa sanitária parecem mais importantes do que se ela tem uma tampa. Mesmo assim, recomendamos bandejas descobertas, pois os proprietários parecem prestar mais atenção às bandejas quando a sujeira é visível ou o odor é mais perceptível.

Quanto à quantidade de bandejas na casa, se houver apenas um gato, basta uma bandeja. Mesmo uma bandeja pode ser suficiente se dois gatos estiverem em casa e tiverem um bom relacionamento. Não é assim no caso de esses dois indivíduos terem uma má convivência. Neste caso, tenha pelo menos duas caixas sanitárias. Caso haja mais de dois gatos no domicílio, a recomendação é que o número de bandejas seja igual ao número de gatos da casa mais um.

Os principais elementos são limpar a bandeja de areia e remover detritos pelo menos uma vez por dia. Um fator que os proprietários negligenciam é a limpeza completa da caixa sanitária do gato, que recomendamos fazer pelo menos uma vez por mês com areia aglomerada ou com mais frequência se a areia não estiver aglomerada. Trata-se de jogar fora o lixo, limpar a bandeja com água quente e sabão e, depois de seco, enchê-lo novamente com lixo novo.

Descanso e higiene

Os gatos gostam de locais de descanso elevados. Esta área de descanso deve ser separada da bandeja sanitária e da área de alimentação. Os gatos usam áreas de descanso para se limparem, por isso a sua higiene pode diminuir se essas áreas forem inadequadas.

Também é necessário fornecer-lhes materiais para afiar as unhas. Eles podem variar de postes comerciais a troncos de árvores. O material escolhido não deve se mover enquanto o gato o utiliza. Caso contrário, procurará outro local que atenda às suas expectativas, como um sofá na sala.

O espaço tridimensional é importante para os gatos. Assim, não devemos nos limitar a apenas um poste para arranhar horizontal ou vertical. Em vez disso, use arranhadores diferentes em ambas as posições para evitar estressar o gato.

Rotina

Pequenas mudanças na rotina de um gato podem causar grandes alterações na vida do gato, levando a um aumento significativo do estresse. A vida de um gato propenso à CIF deve ser bastante rotineira, respeitando horários de alimentação, locais estáticos para o caixa de areia, várias opções de esconderijos, etc. Não é aconselhável introduzir novos animais em casas onde vive um gato com cistite idiopática, pois é provável que o seu nível de stress aumente.

Se mudanças devem acontecer, quanto mais graduais, melhor. Por exemplo, caso seja necessária uma mudança na alimentação, é aconselhável continuar a oferecer a comida habitual na mesma tigela e introduzir a nova comida no mesmo local. Aos poucos, os proprietários podem reduzir a quantidade da comida antiga e aumentar a quantidade da comida nova.

Play

Os gatos precisam e devem brincar durante toda a vida. Existem muitos brinquedos, comerciais e caseiros, que divertem os gatos. É importante que o gato não tenha acesso constante a todos os seus brinquedos, mas que eles permaneçam guardados, e só retiramos dois ou três de cada vez e alternamos com outros a cada poucos dias. Desta forma, os brinquedos permanecem uma novidade para o gato. Brinquedos contendo nepenta muitas vezes chamam a atenção, assim como a grama se a esfregarmos nos brinquedos ou em seus arranhador.

Coçando gato

Pensamentos Parting

Depois de ler este artigo, entendemos que a cistite é uma patologia complexa que pode até resultar em uma emergência médica. Essa condição é frequente entre gatos domésticos devido ao estilo de vida humano e à proximidade com seus animais de estimação. Os proprietários devem estar atentos aos sintomas e, mais do que tudo, tentar prevenir o seu aparecimento.

O compartilhamento é cuidar!

Foto do autor

AUTOR

Diana é fundadora de duas empresas prósperas, a Maskoketos no México, especializada no atendimento médico de cães e gatos, e a Faunavets na Argentina, dedicada ao bem-estar de animais não tradicionais. Sua experiência vai muito além do domínio dos animais de estimação domésticos, abrangendo uma grande variedade de criaturas, desde os menores coelhos até os majestosos elefantes. A paixão de Diana pela vida marinha a levou a trabalhar com golfinhos, peixes-boi, tubarões e raias manta no México. O seu compromisso e entusiasmo pelo bem-estar dos animais estão no centro do seu trabalho, e ela está dedicada a melhorar o bem-estar animal de todas as formas possíveis.