Diabetes em cães e gatos[ATUALIZADO]

publicado por Eu amo veterinário

Atualizado em

O blog I Love Veterinary é suportado pelo leitor e podemos ganhar uma comissão de produtos comprados por meio de links nesta página, sem nenhum custo adicional para você. Saiba mais sobre nós e nosso processo de análise de produtos >

O que é diabetes em cães e gatos?

O diabetes em cães e gatos representa uma desordem endócrina crônica caracterizada por desequilíbrio metabólico de carboidratos, gorduras e proteínas, resultando em hiperglicemia permanente.

A hiperglicemia resultante é devida à escassez relativa ou absoluta de insulina, combinada com o excesso relativo ou absoluto de glucagon. A escassez de insulina ocorre quando há diminuição da produção do hormônio, bem como diminuição da sensibilidade tecidual à insulina ou distúrbios do transporte de insulina.

O diabetes mellitus não deve ser visto como uma doença única, mas sim como uma manifestação de vários processos fisiopatológicos.

diabetes em cães e gatos

Como funciona a insulina?

A insulina é considerada o hormônio anabólico mais importante do organismo. Ele permite que a fonte de energia mais importante – a glicose, seja transportada dentro das células do corpo e, assim, seja transformada em gordura, proteína ou glicogênio.

diabetes em cães

A produção de insulina depende do nível de insulina no sangue. Isso significa simplesmente que quanto mais glicose o sangue transportar, maior será a produção de glicose. Após o nível de glicose no sangue cair para valores fisiológicos (3.3-6.6 mmol/L em cães), o pâncreas diminui a produção de insulina.

Tipos de diabetes em cães e gatos

Diabetes em cães

  • Diabetes mellitus tipo 1 – Esta é a diabetes insulino-dependente que ocorre como resultado da falta absoluta de insulina
  • Diabetes mellitus tipo 2 – Insensibilidade tecidual à insulina e escassez relativa de insulina
  • Diabetes mellitus tipo 3 – Forma subclínica como resultado de distúrbio de tolerância à glicose

Em cães, o tipo mais prevalente é o diabetes mellitus tipo 1. É difícil dizer qual é o verdadeiro gatilho para a doença. Fatores influentes são predisposições genéticas, distúrbios autoimunes, inflamação pancreática, lesão pancreática, desequilíbrio hormonal em fêmeas em diestro, hiperadrenocorticismo, hipotireoidismo, etc.

A doença é mais prevalente em cadelas do que em machos (proporção 2:1). Entre as fêmeas, os cães não castrados tendem a ter maior predisposição para diabetes (proporção 6:1). Cães jovens raramente desenvolvem diabetes e a maior prevalência de diagnóstico é relatada entre cães de sete a nove anos de idade.

Diabetes em gatos

Todos os gatos diabéticos são IDDM ou NIDDM. Um gato pode ser jovem ou velho quando se torna diabético. Pode desenvolver diabetes devido a obesidade, pancreatite, infecção pelo vírus da Peritonite Infecciosa Felina, exposição a certos medicamentos, certos defeitos enzimáticos, reações a medicamentos, exposição a toxinas, lesão que danifica o pâncreas, doenças imunológicas como lúpus temático sistêmico, leucemia, doenças da tireoide, pancreatite crônica ou diabetes insipidus.

A diabetes afeta todo o corpo. Leva tempo para desenvolver diabetes. Os sintomas podem levar vários dias ou várias semanas para aparecer depois que a insulina não é mais produzida no pâncreas, o que significa que pode ser difícil saber quando nosso animal se tornou diabético. 

Os gatos são mais propensos a ter diabetes do que os cães porque o diabetes tende a se desenvolver lentamente em comparação com os cães que desenvolvem diabetes rapidamente. Ao contrário do diabetes do cão, o diabetes do gato não tem um padrão sazonal e os gatos afetados são iguais, sejam machos ou fêmeas.

Sinais Clínicos e Diagnóstico de Diabetes em Caninos e Felinos

Sinais clínicos de diabetes mellitus são síndrome de poliúria/polidipsia (provavelmente a mais específica), perda de peso, polifagia (inicialmente), anorexia (posteriormente), depressão, fraqueza e vômitos ocasionais.

O aumento do nível de glicose no sangue faz com que o corpo excrete o açúcar pela urina causando glicosúria que causa diurese osmótica resultando em desidratação e eventual polidipsia. A perda excessiva de açúcar no sangue leva à perda de energia, perda de peso e aumento do apetite devido à desnutrição.

cachorro com olho branco de diabetes

Logo o corpo começa a usar corpos cetônicos como fonte de energia que são feitos de FFA (ácidos graxos livres). Com o tempo, quando muitos corpos cetônicos superam as capacidades tampão do corpo, o resultado é a cetoacidose diabética.

Nesse momento, o animal perde o apetite, seguido de sintomas de depressão, fraqueza e vômitos.

Isso significa que os sintomas são diferentes e relacionados com o tempo de ocorrência do diabetes mellitus. Por isso os animais com a doença podem ser gordos ou magros, dinâmicos e com comportamento normal, ou letárgicos.

O diagnóstico final é baseado no exame físico, anamnese, glicemia e presença de glicose na urina. Sinais clínicos singulares não servirão como determinante final para o diabetes mellitus. Diagnosticá-lo às vezes pode ser um verdadeiro desafio para o clínico.

Aumento do apetite com potencial perda de peso pode ser observado na insuficiência do pâncreas exócrino e poliúria/polidipsia, perda de massa muscular e perda de peso são aparentes em doenças renais crônicas.

A hiperglicemia segue hiperadrenocorticismo, acromegalia, glucagonoma e terapia iatrogênica com soluções de glicose i/v, glicocorticóides, alfa-2-agonistas e progestágenos. Além disso, o estresse adiciona ainda mais açúcar à equação. A glicose na urina pode ser encontrada após terapia com soluções de glicose i/v e disfunção dos túbulos renais.

É por isso que os médicos devem ter cuidado ao avaliar os resultados do teste e abordar o problema passo a passo. Cada sinal clínico é importante e acompanhar o nível de açúcar no sangue e a presença de glicose na urina para mostrar o caráter persistente é de extrema importância.

tratar Diabetes Mellitus em Cães e gatos

Uma das coisas mais importantes no tratamento do diabetes mellitus em cães é, inicialmente, educar o proprietário de que o regime de vida para ele e seu animal de estimação mudará para sempre.

Este regime significa que eles terão que alimentar seu cão com a mesma quantidade do mesmo alimento, no mesmo horário, todos os dias, com um tempo constante de aplicação de insulina, mantendo a atividade física constante do corpo.

Animais de estimação com diabetes mellitus são pacientes crônicos que requerem cuidados redobrados e controle permanente por parte do veterinário e de seus donos.

diabetes mellitus em cães

A prescrição de alimentos adequados depende da escolha do veterinário. Há mais de um alimento médico disponível comercialmente para cães diabéticos no mercado e provavelmente a maioria dos veterinários recomendará aquele com o qual eles tiveram a melhor experiência no passado. A insulina deve ser administrada antes da alimentação e é importante fornecer sempre a mesma quantidade de alimento, duas vezes ao dia.

Hipoglicemia pode ser tão fatal quanto a hiperglicemia. Os sintomas incluem fraqueza, ataxia, perda de consciência, remar nos membros. Alguns desvios de regime podem levar à hipoglicemia e isso deve ser discutido com os proprietários.

A aplicação de insulina deve ser seguida de uma refeição. Se o cão vomitar após a alimentação, os proprietários devem consultar o veterinário imediatamente.

Se ocorrer hipoglicemia, é aconselhável que os donos dêem ao cão algumas guloseimas ricas em açúcar (mel, solução de açúcar) e depois levem o animal ao veterinário imediatamente. O treinamento excessivo também pode levar à hipoglicemia.

A terapia inicial começa com a administração de solução salina i/v seguida de uma injeção de insulina (0.2 UI i/m). Isso deve ser repetido a cada hora enquanto mede o nível de glicose no sangue e administra injeções de 0.1 UI de insulina.

Quando o nível de glicose no sangue cair, o animal deve ser alimentado e receber uma injeção de insulina de 0.25-0.2 UI/kg s/c. O tratamento em casa começa com a dose mais baixa de NPH e faixa de insulina duas vezes por dia.

Os proprietários devem ser instruídos sobre a administração subcutânea adequada de insulina e a maneira correta de ajustar e manipular as seringas. Se for possível, ajude-o a se exercitar algumas vezes enquanto estiver na clínica usando solução salina. 

O compartilhamento é cuidar!

AUTOR

Projeto dedicado a apoiar e ajudar a melhorar a Medicina Veterinária. Compartilhando informações e levantando discussões na comunidade veterinária.

Recomendado

pediátrico para cães

Pedialyte para cães: 2024 atualizado

8 min read

Subscreva a nossa newsletter

Deixe seu e-mail abaixo para fazer parte do time I Love Veterinary e desfrutar de novidades regulares, atualizações, conteúdo exclusivo, novidades e muito mais!