Enteropatia perdedora de proteínas em cães

Helen Roberts DVM

publicado por Helen Roberts

Atualizado em

O blog I Love Veterinary é suportado pelo leitor e podemos ganhar uma comissão de produtos comprados por meio de links nesta página, sem nenhum custo adicional para você. Saiba mais sobre nós e nosso processo de análise de produtos >

O que é PLE em cães?

A enteropatia perdedora de proteínas em cães, também conhecida como PLE, é uma condição em que a doença nos intestinos faz com que a proteína vaze para fora do corpo. Isso pode causar uma deficiência de proteína em cães. A enteropatia perdedora de proteína não é uma doença específica e pode ser causada por muitas condições diferentes que causam perda de proteína através do intestino.

Enteropatia significa doença intestinal. Quando o intestino está suficientemente inflamado, congestionado, infiltrado ou sangrando, a proteína pode vazar do intestino para as fezes.

Os cães precisam de proteína para sobreviver, as proteínas carregam mensagens hormonais, mantêm o equilíbrio de fluidos no corpo, combatem infecções e ajudam na coagulação do sangue. Quando as reservas de proteína são baixas, isso pode causar problemas graves e precisa ser tratado.

Neste artigo, o PLE em cães será explicado para que você esteja melhor informado para ajudar seu cão caso ele seja infligido com essa condição.

veterinário com cachorro

Raças de cães que estão predispostas a PLE

Algumas raças de cães parecem ter um risco aumentado de desenvolver a doença PLE; estes incluem Yorkshire Terriers, Terriers Wheaten com revestimento macio e Lundehunds. Outras raças, como o chinês Shar-Pei, Rottweiler, Basenji e Setter Irlandês, também são mais propensas a desenvolver enteropatia perdedora de proteínas. 

Embora não esteja confirmado, suspeita-se de uma predisposição genética em algumas dessas raças.

O que causa a enteropatia perdedora de proteínas em cães?

Em um trato gastrointestinal normal, as proteínas plasmáticas que terminam no lúmen do intestino são quebradas e reabsorvidas. 

Quando a doença ocorre, a perda de proteína no intestino excede a produção de nova proteína, levando a baixa proteína ou hipoproteinemia. Se a perda for significativa o suficiente, outras complicações podem ocorrer devido à deficiência de proteína, como vazamento de líquido da circulação para o abdômen (Ascite) ou tórax (derrame pleural).

Existem muitas causas de enteropatia perdedora de proteínas em cães. Qualquer condição que cause inflamação, congestão, infiltração ou sangramento dos intestinos pode causar PLE. 

Sinais e sintomas comuns associados à PLE em cães

A enteropatia perdedora de proteínas nem sempre pode se apresentar da mesma maneira em cada cão. A diarreia é comum, mas pode não ocorrer de forma consistente. Alguns cães com PLE têm fezes normais.

O inchaço do abdômen causado por um acúmulo de líquido (ascite) é outro sinal comum. O fluido também pode se acumular sob a pele, e você pode notar corrosão, em que tocar a pele do seu cão deixa uma marca que demora um pouco para desaparecer. 

O acúmulo de líquido no peito (derrame pleural) pode se tornar um sinal óbvio se o seu cão desenvolver dificuldade para respirar. Outros sinais de PLE incluem letargia, perda de peso, vômitos, tornar-se “exigente” com a comida e perceber sangue nas fezes do seu cão.

Seu veterinário suspeitará de enteropatia perdedora de proteínas através da coleta de um histórico completo e da realização de um exame clínico. Por exemplo, o veterinário pode notar perda muscular, intestinos espessados ​​à palpação abdominal, líquido no abdômen, achados anormais no exame retal, um sopro no coração, ou dificuldade em ouvir os pulmões (sons pulmonares maçantes).

Doenças caninas ligadas ao PLE

Doenças gastrointestinais primárias, doenças cardíacas e doenças do sistema linfático podem causar enteropatia perdedora de proteínas.

Doenças no trato gastrointestinal que causam EPP incluem infecção bacteriana (por exemplo, salmonela), doença inflamatória intestinal (DII), câncer intestinal (por exemplo, carcinoma), infecção viral (por exemplo, parvovírus), úlceras no estômago, infecções fúngicas (por exemplo, histoplasmose) e doenças parasitárias (por exemplo, tricurídeos).

Doenças fora do trato gastrointestinal que podem causar EPP incluem insuficiência cardíaca congestiva, Câncer de tecidos linfóides (por exemplo, linfoma) e linfangiectasia (dilatação dos vasos linfáticos no trato GI).

Filhotes jovens que desenvolvem enteropatia perdedora de proteína são mais prováveis ​​de serem infestados com ancilostomídeos ou tem uma intussuscepção crônica.

Como é diagnosticada a baixa proteína em cães?

Quando seu veterinário suspeitar de baixa proteína em cães, ele provavelmente recomendará um exame de sangue para verificar os níveis de proteína. Os níveis de proteínas plasmáticas albumina e globulina podem ser avaliados e, se estiverem baixos, isso confirma baixa proteína.

Para diagnosticar a enteropatia perdedora de proteínas, existem vários testes que seu veterinário pode realizar:

  • Hemograma completo (CBC) para verificar os níveis de vermelho e glóbulos brancos.
  • Exame de sangue bioquímico para observar os níveis de rim, fígado e proteínas.
  • Um exame de sangue de colesterol, se baixo, pode aumentar a suspeita de PLE.
  • Urinálise para procurar perda de proteína através dos rins (chamada nefropatia perdedora de proteína).
  • Exames de imagem, como raios-x para procurar doenças cardíacas ou câncer, e ultra-som para examinar os intestinos em busca de anormalidades ou corpos estranhos.
  • A amostragem de fluido no abdômen ou no peito do seu cão pode ser testada observando o fluido sob o microscópio, bem como testando os níveis de proteína. O fluido será classificado dependendo de quantas células e proteínas estão no fluido; animais com PLE geralmente terão um tipo de fluido chamado transudato.
  • O teste fecal pode ser útil, principalmente se houver diarréia. Além disso, testes para causas infecciosas específicas, como salmonela, campylobacter e parvovírus, podem ajudar a encontrar a causa da EPP e ajudar no desenvolvimento de uma estratégia de tratamento.
  • Endoscopia, em que uma câmera é inserida no intestino para procurar alterações e coletar amostras (biópsias) que podem ser testadas.
  • A cirurgia pode ser realizada para procurar alterações nos intestinos. Por exemplo, seu veterinário pode notar nódulos brancos nos intestinos (lipogranulomas intestinais), que podem indicar PLE. Amostras (biópsias) também podem ser coletadas por meio de cirurgia para serem testadas para diagnosticar a causa da EPP.
Veterinários olhando para um raio-x de cachorro

Estratégias de tratamento eficazes para combater a enteropatia perdedora de proteínas em cães

O tratamento depende da gravidade da doença. Em casos mais leves, o tratamento da causa subjacente ajudará a evitar mais perdas e permitirá que o corpo recupere suas reservas de proteína. 

Em animais mais severamente afetados pode ser necessário hospitalizar para receber transfusões de plasma para ajudar a repor a proteína perdida. A terapia com fluidos IV também pode ser usada para reidratar cães cujo fluido vaza dos vasos sanguíneos. 

Em cães com acúmulo de líquido no peito e dificuldade para respirar, um veterinário pode precisar drenar o líquido. O acúmulo de líquido no abdômen também pode precisar ser drenado se ele se acumular demais.

A maneira mais eficaz de tratar a EPP é diagnosticar e tratar a causa subjacente. Exames de sangue, imagens e biópsias de tecidos intestinais podem ser necessários para descobrir o que está acontecendo de errado e tratá-lo. Além disso, testes para doenças específicas, como parvovirose, podem ser usados ​​para determinar o melhor tratamento.

Uma vez que a causa específica é encontrada, o tratamento personalizado pode ser usado. Exemplos incluem antibióticos, medicamentos antivirais, medicamentos antifúngicos, quimioterapia, medicamentos para o coração e cirurgia podem ajudar a tratar a causa da PLE.

Em alguns casos, como na doença inflamatória intestinal, um único tratamento pode não ser possível. Em vez disso, a condição pode precisar ser gerenciada por meio de mudanças na comida do cachorro e medicamentos com a possibilidade de surtos no futuro, que exigem monitoramento cuidadoso.

Se não for tratada, a PLE pode ser fatal. Se você suspeitar que seu cão tem PLE, procure atendimento médico o mais rápido possível.

O prognóstico e acompanhamento a longo prazo da PLE em cães

O prognóstico a longo prazo varia amplamente, dependendo da causa subjacente da EPP. Em alguns casos, como a salmonela, se a doença for tratada adequadamente, o prognóstico é excelente. No entanto, em condições mais graves, como carcinomas, o prognóstico pode piorar e exigir um tratamento mais extenso para obter um bom resultado.

Em animais com doenças crônicas, como DII, será necessário acompanhamento de longo prazo com visitas regulares ao veterinário e exames de sangue para garantir que o manejo seja adequado. Além disso, surtos podem ocorrer e precisam ser tratados.

Amostra de Sangue de Cão

Resumo

A enteropatia perdedora de proteínas é uma condição de perda de proteínas através dos intestinos. Não é apenas uma doença, mas sim o resultado de muitas doenças diferentes. 

A diarreia é um sinal comum de PLE, mas nem todos os cães com PLE terão diarreia e nem todos os cães com diarreia terão PLE. Outros sintomas comuns incluem acúmulo de líquido no corpo, letargia e perda de peso.

Seu veterinário irá diagnosticar PLE através de exames de sangue e outras ferramentas de diagnóstico. Uma vez feito o diagnóstico de PLE, um diagnóstico do PLE causador da doença também precisará ser feito para que o tratamento possa ser iniciado.

A PLE pode ser difícil de gerenciar em alguns casos e requer cuidados intensivos. Em outros casos, o tratamento será simples e resolverá com um curto curso de medicamento.

O prognóstico de um cão com enteropatia perdedora de proteínas varia muito e será determinado pela doença subjacente e pelo tratamento envolvido.

O compartilhamento é cuidar!

Helen Roberts DVM

AUTOR

A trajetória de Helen na medicina veterinária é marcada pela dedicação à prática de pequenos animais e pela sede de experiências diversas. Ela se formou na Massey University em 2016, iniciando sua carreira em uma clínica rural em Canterbury, Nova Zelândia, antes de se aventurar no Reino Unido em busca de novos desafios. O amor de Helen pelos animais sempre esteve no centro da sua paixão, e o seu sonho de trabalhar com eles tornou-se uma realidade.

Recomendado

pediátrico para cães

Pedialyte para cães: 2024 atualizado

8 min read

Dia Mundial do Veterinário

Comemorando o Dia Mundial da Veterinária de 2024

5 min read

Subscreva a nossa newsletter

Deixe seu e-mail abaixo para fazer parte do time I Love Veterinary e desfrutar de novidades regulares, atualizações, conteúdo exclusivo, novidades e muito mais!