Mastite em Cães – Tratamento, Prevenção e MAIS

Helen Roberts DVM

publicado por Helen Roberts

Atualizado em

O blog I Love Veterinary é suportado pelo leitor e podemos ganhar uma comissão de produtos comprados por meio de links nesta página, sem nenhum custo adicional para você. Saiba mais sobre nós e nosso processo de análise de produtos >

Definindo Mastite em Cães

A mastite em cães refere-se à inflamação das glândulas mamárias. É mais comumente visto na cadela, mas também pode ocorrer em cães machos. Ainda assim, é mais comumente visto em cadelas lactantes, grávidas ou pós-parto. 
Existem dois tipos de mastite, sendo o primeiro galactostase (o que significa que o leite não flui), que geralmente ocorre em cadelas grávidas perto do parto quando o leite está se acumulando nas glândulas mamárias, mas não há filhotes para esvaziá-lo. 

cadela lactante

Isso pode causar inchaço e dor, mas geralmente é transitório e, como não há infecção, não requer antibióticos. Galactostase ainda pode exigir tratamento.

O segundo tipo de mastite é a mastite séptica (que significa infecção). Isso pode ser agudo (súbito) ou crônico (durar muito tempo). A infecção é mais comumente de bactérias, mas raramente infecções fúngicas também podem ocorrer. A mastite canina é menos comum do que em outras espécies, mas pode ser grave e até fatal se não for tratada.

Pode ser um desafio determinar a diferença entre os dois tipos de mastite. Por isso, é essencial que você leve seu cão ao veterinário e o examine para que o tratamento possa ser iniciado em tempo hábil.

O que causa a mastite?

A mastite infecciosa ocorre quando bactérias (e raramente fungos) entram na glândula mamária e desencadeiam uma infecção. A fonte da bactéria é mais comumente da pele, do ambiente externo ou de bactérias no sangue. A mastite pode ocorrer ao mesmo tempo que a metrite (inflamação do útero).

As espécies bacterianas mais comuns que causam mastite são Escherichia coli, Staphylococcus sp., e Streptococcus sp. 

bactérias estafilococos sob um microscópio

Em uma cadela em lactação, os agentes infecciosos muitas vezes podem entrar através de um mamilo danificado ou glândula mamária, seja por rachaduras ou arranhões das unhas ou dentes do filhote ou por danos físicos, atingindo o tecido ingurgitado contra a caixa de parto, por exemplo. 

Uma caixa de parto que não é limpa regularmente ou tem danos, como madeira lascada ou unhas expostas, representa uma ameaça significativa ao desenvolvimento da mastite.

Em uma cadela não lactante, uma infecção pode ocorrer secundária a uma infecção em outra parte do corpo migrando pelo sangue ou por câncer de glândula mamária.

Se você notar sinais de mastite em sua cadela, mesmo que ela não esteja grávida ou amamentando, é crucial que ela seja examinada pelo seu veterinário.

Sinais precoces e gerenciamento de risco de mastite em caninos

Em casos leves, os primeiros sinais de mastite podem ser sutis; desconforto mamário leve e calor, galactostase (leite que não flui), inflamação da pele e presença de uma massa dentro da glândula mamária são frequentemente os primeiros sinais.

O leite é muitas vezes vermelho ou marrom devido à presença de glóbulos vermelhos e brancos.

À medida que os casos se tornam mais moderados, você começará a notar dor, relutância em amamentar filhotes, não querer se deitar (doloroso), não querer comer e ficar letárgico. Você pode ver o ganho de peso do seu filhote parar à medida que a mãe os alimenta menos. Uma febre acentuada pode ser um dos primeiros sinais de uma infecção moderada.

Casos avançados ou graves podem apresentar choque séptico, que envolve febre alta ou, em casos extremos, a temperatura corporal pode ser baixa. Você também pode ver abscessos na glândula mamária ou tecido morrendo (necrose).

Se você notar algum sinal de mastite, é essencial que você trate seu cão o mais rápido possível, pois um caso leve pode se transformar em um caso grave de repente e se tornar uma ameaça à vida.

O diagnóstico de mastite em cães

Um diagnóstico só pode ser feito pelo seu veterinário. Mais comumente, um diagnóstico pode ser feito em um exame físico e histórico coletado de você, o proprietário.

A galactostase geralmente não requer mais trabalho, mas a mastite infecciosa pode.

Testes diagnósticos comuns incluem coletar uma amostra de leite assepticamente e enviá-la para ser cultivada para ver que tipo de bactéria é cultivada. Uma vez estabelecido o tipo de bactéria, o laboratório determinará a sensibilidade das bactérias a diferentes antibióticos. Este teste é chamado de teste de cultura e sensibilidade e pode ajudar seu veterinário a determinar o melhor tipo de antibiótico a ser escolhido para tratar seu cão.

Um ultra-som também pode ser usado para olhar dentro da glândula mamária para procurar sinais de abscesso e avaliar a extensão do dano à glândula e monitorar a resposta ao tratamento. 

Dependendo da gravidade da mastite, outros exames podem ser realizados, como exames de sangue para determinar a saúde do seu cão e verificar se há algum envolvimento sistêmico. Em uma cadela não lactante ou não grávida, pode ser necessária uma investigação mais aprofundada para determinar de onde veio a infecção.

Tratamento da mastite

O tratamento para mastite em cães varia de acordo com a gravidade. Em casos leves, antibióticos e alívio da dor são os pilares do tratamento, a terapia geralmente é iniciada imediatamente, mas a escolha do antibiótico pode mudar se a cultura e a sensibilidade voltarem a dizer que o antibiótico escolhido inicialmente não foi a melhor opção. 

bactérias staphylococcus sob microscópio 1 1 I Love Veterinary - Blog para Veterinários, Veterinários, Estudantes

Compressa morna com toalhas e remoção suave (ordenha) da glândula afetada pode impedir a formação de abscessos.

Proteger a glândula afetada do trauma pode ser útil. Usar uma camiseta ou um curativo pode evitar que ela seja batida. Limpe a caixa de parto regularmente, procure por quaisquer objetos que possam danificar a glândula mamária e remova-os do espaço do seu cão.

O monitoramento cuidadoso em casa é vital para garantir que seu cão esteja respondendo ao tratamento e não piorando. Se os antibióticos parecem não estar funcionando, é essencial trazer seu cão para uma revisita, pois pode ser necessário um tratamento diferente.

Em casos moderados e graves, seu cão pode precisar ser hospitalizado para fluidos intravenosos e antibióticos para tratar a infecção de forma mais agressiva. Ultrassons repetidos podem ser necessários para monitorar a progressão e resolução de abscessos e celulite dentro da glândula. 

Se houver um abscesso ou dano à glândula mamária, pode ser necessária uma cirurgia para eliminar o pus ou remover a glândula afetada.

Nos casos em que a produção de leite está causando um problema, o medicamento pode ser administrado para interromper a lactação (terapia anti-prolactina).

Se houver um tumor, então raios-x, cirurgia e quimioterapia ou radiação podem ser necessários. Outras infecções no corpo precisarão ser tratadas e mastite se a doença se espalhar de outro lugar.

O que acontece com os filhotes?

Em casos leves, os filhotes podem continuar a amamentar e podem realmente ajudar na remoção da glândula afetada. A amamentação das glândulas afetadas não se mostrou problemática para os filhotes.

Existem antibióticos e analgésicos que são seguros para uso em cadelas em lactação, portanto, a maioria dos veterinários os selecionará primeiro para garantir que não haja problemas. 

Se for determinado que um antibiótico é necessário, isso pode ser prejudicial para os filhotes, e então eles podem precisar ser alimentados com mamadeira enquanto a mãe estiver tomando o medicamento, ou podem ser desmamados se tiverem idade suficiente.

Em cães em estado grave, os filhotes podem precisar ser alimentados com mamadeira enquanto a cadela está no hospital, mas é possível que os filhotes possam voltar a amamentar assim que o medicamento terminar.

seis filhotes de bulldog em um sofá

Prognóstico e prevenção da mastite em cães

Casos leves de mastite têm bom prognóstico, mas ainda podem recorrer em lactações subsequentes, apesar das medidas preventivas.

Casos mais moderados e graves ainda podem ter um bom prognóstico desde que o tratamento adequado seja instituído rapidamente. O resultado dependerá da rapidez com que o cão é tratado, do tipo de infecção, se houver resistência a antibióticos e da saúde do cão. Cães com tecido morto e em choque séptico estão em estado grave e podem não se recuperar.

A prevenção envolve uma boa criação animal, incluindo comida de alta qualidade, e fornecer uma área de parto limpa e segura ajudará a prevenir a mastite. Garantir que seu cão esteja bem e tratar qualquer outra infecção e doença garantirá que seu sistema imunológico seja forte o suficiente para combater a infecção. Pode ser difícil prevenir a mastite, portanto, a detecção precoce é a chave para um bom resultado.

A detecção precoce através da pesagem regular dos filhotes, monitoramento da temperatura da mãe e verificação da área mamária em busca de sinais de calor e inchaço ajudarão a mostrar quando há um problema para que o tratamento possa ser iniciado rapidamente. Extrair as glândulas duas vezes ao dia para verificar a cor do leite e procurar sinais de dor também pode ser útil.

A mastite pode ser muito séria, mas não precisa ser. Se você for cuidadoso ao monitorar seu animal e detectar sinais de infecção precocemente, uma visita ao seu veterinário e um curso de antibióticos serão tudo o que é necessário. Se você estiver inseguro sobre a saúde do seu cão, é melhor prevenir do que remediar e levá-lo a um check-up.

Se você gostou deste artigo, você também pode ler nosso artigo sobre Tumores do Sistema Reprodutivo em Cães.

O compartilhamento é cuidar!

Helen Roberts DVM

AUTOR

A trajetória de Helen na medicina veterinária é marcada pela dedicação à prática de pequenos animais e pela sede de experiências diversas. Ela se formou na Massey University em 2016, iniciando sua carreira em uma clínica rural em Canterbury, Nova Zelândia, antes de se aventurar no Reino Unido em busca de novos desafios. O amor de Helen pelos animais sempre esteve no centro da sua paixão, e o seu sonho de trabalhar com eles tornou-se uma realidade.

Recomendado

Hot Spots em cães - eu amo veterinário

Pontos quentes em cães

5 min read

Subscreva a nossa newsletter

Deixe seu e-mail abaixo para fazer parte do time I Love Veterinary e desfrutar de novidades regulares, atualizações, conteúdo exclusivo, novidades e muito mais!